quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Mago Henrique e o Skate em Patos... Conheça um pouco da história do skate na cidade.

Skate em patos? Atualmente estamos em clima de festa entrando no calendário estadual e no noticiário nacional do skate. Como tudo isso começou? Bem, só posso falar do que eu(o “Mago” Henrique) e alguns amigos vivenciamos durante o início dos anos 2000 coincidentemente com o lançamento da série de jogos pra vídeo game Tony Hawk’s Pro Skater desenvolvida e distribuída pela Neversoft e Activision em 1999. 

Nessa época aqui na cidade era muito popular o sistema de lan-house entre nós que não possuíamos vídeo game em casa, ou mesmo que tivéssemos, sendo irresistível gastar um tempinho e dinheiro com os amigos no calor(quem conhece a cidade sabe que pode-se entender a palavra “calor” literalmente) da jogatina.

No mostruário da lan-house entre outros jogos aparece o joguinho de skate que hoje sabemos que se tornou um dos mais jogados no mundo e talvez o mais jogado da sua categoria. Começamos a jogar-lo, completar os objetivos, curtir sua trilha sonora, aprender os nomes de algumas manobras assim como se fazia em qualquer outro jogo. Isso seria tudo normal se não fosse os vídeos de performances reais dos próprios skatistas disponíveis no jogo que seriam desbloqueados quando finalizados os objetivos do game.
Ver aqueles vídeos repetidamente e sem piscar os olhos não faria tanto sentido sabendo-se que cada minuto assistindo aqueles flips, slides, etc era um minuto a menos sem jogar, desperdiçando o valioso “realzinho” destinado ao jogo na lan-house.
O resultado destes atos insanos na lan-house foi tentar reproduzir nas nossas calçadinhas, bancos e escadarias de Patos o que vimos aqueles “mágicos do skate” fazer por meio dos, hoje quase extintos, televisorezinhos de 19 polegadas. Isso só foi possível porque um desse grupinho de amigos lembrou que havia ganhado um skate de presente e estava guardado e já um pouco esquecido.
Foi com o skate no pé, alguns amigos igualmente determinados, muita vontade e poucas informações sobre esse carrinho de madeira com rodinhas de plástico que começou minha aventura pra imitar as primeiras manobras no skate que até então só víamos pela TV. Essa parte da história é fácil imaginar como aconteceu: algumas manchinhas roxas na canela, arranhõezinhos aqui e ali, e com certeza muita diversão e risos até conseguir os primeiros acertos. Agora sim, seria hora de comprar o primeiro skate e o primeiro tênis e se considerar um skatista “de verdade” (muitos risos), procedimento não muito diferente de todos os skatistas que já conheci.

Por algum tempo eu e esses amigos da vizinhança juntamente com outras histórias que se cruzaram com as nossas aqui na querida cidade de Patos, formamos o que podemos chamar postumamente e sob minha perspectiva de “movimentação skatística” em Patos que considero uma pena ter que resumir em poucas palavras uma época tão divertida da minha vida que dividi com uma infinidade de amigos até mudar de endereço quando fui estudar na Universidade Estadual da Paraíba em Campina Grande-PB no ano de 2004.
Nosso cotidiano como skatistas em Patos era primeiramente andar muito no skate, a partir daí aconteciam outras coisas: beber muita água pra não desidratar no famoso calor patoense, descobrir os melhores “picos” pra praticar as manobras, gastar raramente um filme de 24 poses numa antiga máquina fotográfica(muitos risos novamente)durante as sessões de skate, tentar fabricar obstáculos com tudo que tivéssemos disponível, assistíamos vídeos juntos, fazíamos negociações e gambiarras de toda sorte possível pra que tivéssemos o maior numero de skates funcionando “direitinho”, e lembro que muitas vezes fomos convidados pelos guardas e gestores a não andar de skate em lugares públicos e privados(rindo pra não chorar...), o que dava aquela esfriada na diversão e no entusiasmo da galera . Entre uma manobra e outra, uma queda e uma levantada, sobrava tempo pra sentir inveja das cidades que tinham pistas de skate públicas, o que nos levou a algumas tentativas infrutíferas de negociação com a prefeitura da cidade pra construção de uma pista aqui na nossa querida morada, e desta forma se passaram esses anos...

O acaso me trouxe muitas surpresas, o que me faz pensar que tive muito boa sorte no relacionamento com o skate. Já morando em Campina Grande conheci vários skatistas locais, entre eles, o Jason Alexander que hoje assume várias funções no cenário do skate inclusive a de convidar-me a contar essa minha aventura com skate em Patos. Ainda em Campina tive o prazer de andar na pista do complexo Plínio Lemos recém construída no início de 2008 e ver a evolução técnica que uma pista pública foi capaz de proporcionar aos amigos de lá. Novamente eu teria que mudar de cidade para estudar. Tive muita sorte com o skate, no final de 2008 estava eu morando em João Pessoa e exatamente nesse período estava em construção na capital do estado uma das melhores pistas públicas do Brasil, o Skate Plaza Manaíra. Muitos dias andei até a exaustão, foi a melhor pista de skate que já andei em toda vida(dentro da pouca experiência), foi lá que andei juntinho do Rodil “ferrugem” de Araújo(atleta brasileiro com infinitos títulos nacionais e internacionais) e consegui ver finalmente como aquelas filmagens do vídeo game que eu assistia apenas no pequeno televisor de 19 polegadas eram feitas na vida real.

Hoje já não ando de skate diariamente com os amigos, nem tenho skate tampouco o tênis para me considerar um skatista “de verdade”(risos),porém, sempre me encontro com os skatistas patoenses e sempre paro pra assisti-los assim como eu assistia aquelas manobras “impossíveis” no vídeo game a mais de dez anos atrás. Nos encontros com eles são certos uma saudação e um abraço e nos eventos de skate da cidade sempre ajudo como posso, sempre fazendo com que seja sempre muito “permitido andar de skate” por essas bandas daqui.

Agora em 2014 me encontro na cidadezinha que comecei a minha história com o skate, Patos-PB, ainda sem pista pública, más isso é menos importante que o momento que a cidade passa com o skate: bons obstáculos de madeira pra treino e eventos, vários eventos relacionados acontecendo, muitos praticantes, bem integrada com outros skatistas do estado e agora sediando uma etapa do Campeonato Paraibano de Skate. Fantástico!!!